quarta-feira, 4 de julho de 2018

Vencer na vida - Cortella



A entrevista de Cortella
Foi muito boa por demais
Porém estes rapazes fortes
Parecem estar em bacanais
Tamanha foi sua insistência
Que pareceu interferência
Destes lindos racionais.

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Ser amado - soneto

SER AMADO


Amor é o sofrimento na ausência,
querer bem sem motivo,
é amaurose para os defeitos,
é nao desejar que acabe.

Nas falhas, ter paciência.
Nas brigas, sentir - se abatido.
Nas discordâncias, mudar os conceitos.
No outro, sentir a metade.

Ser nunca esquecido,
é o infinito resumido 
ser apoiado quando se cai.

É permanecer querido,
ter o coração partido 
quando o outro, se vai...

quarta-feira, 20 de junho de 2018

O atraso e a morte - soneto

O ATRASO E A MORTE


O atraso retarda a chegada
é uma coisa que desagrada.
Seja um médico ou um advogado
no Brasil está consagrado.

Retardo no casamento...
No colégio, no parlamento...
Ocorre em qualquer situação 
com ou sem legislação.

A única que não demora, 
e que da vida é a senhora,
é o momento da outra vida.

Não há desculpa para morte 
para a vida ela é um norte
e um problema sem saída.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

A morte - soneto


A MORTE


Ó morte que não morre, espera...
Cada pessoa imagina o dia
da partida desta para outra via
pensando a vida ser uma quimera.

Morte que vem sem escolher 
o momento e a hora adequados,
não dá chance para desfazer
o que estiver desorganizado. 

A tristeza da partida, quem a sente?
É aquele que te tem em sua mente
e te admira de coração.

Faz por ti lágrimas e oração,
faz dos teus dizeres semente,
e sente a ausência desesperadamente.

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Sotaque - Whindersson Nunes



Cada sotaque é uma coisa
Estranha e particular
Uma forma diferente
Da pessoa se expressar
É marmota ou tangerina?
O bom é se comunicar.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

A REVOLTA DOS CAMINHONEIROS


Resultado de imagem para VEM PRA RUA

FABIANO TIMBÓ: 
O Brasil está numa crise
Que empobrece nossa cesta 
A moral está bem pra baixo 
A tristeza é gigantesca.
E o que o político faz?
Faz todo mundo de besta.

GERSON ODILON: 
E amanhã, que é sexta 
Pode ser bem diferente 
Pode essa greve parar 
Ou somar muito mais gente
Do jeito que a coisa ruma
Ou esse Brasil se apruma 
Ou afunda eternamente

FABIANO TIMBÓ: 
Afundado ele já está
Com Temer na contramão 
A propina que "não" é dele
Dando ordem sem direção 
O Brasil passando crise 
E o povo sem orientação.

GERSON ODILON: 
Quem conhece a direção 
É o herói caminhoneiro 
Num país desgovernado 
É ele quem faz primeiro
Encosta, estaciona e pára
Sem temer nenhuma vara
Ou político trambiqueiro

FABIANO TIMBÓ: 
Todo brasileiro diz:
" Eu estou com o caminhoneiro."
Só que o político aqui
Desrespeita o brasileiro.
Um povo que bem trabalha,
É feliz, honesto e ordeiro.

GERSON ODILON: 
Meu colega companheiro
Olhe bem que você diz
Sei que é honesto e ordeiro
Porém o povo não tá feilz
Pois grande crise enfrenta 
Com esse política nojenta
Que assola nosso país

FABIANO TIMBÓ: 
Felicidade foi embora 
Vamos comentar a nação 
Pedindo que volte as ruas 
Sem violência e agitação 
Basta repetir este gesto 
De quem vive o caminhão.

GERSON ODILON: 
É hora de pegar na mão 
Fazendo gesto de fé 
Com garra reivindicar 
O arroz, o feijão o café 
Seja a mulher o home
Se não corrigir a fome 
Não fica ninguém de pé

TIMBÓ: 
Vamos chamar o brasileiro 
Com esta estrondosa poesia 
Para que ele manifeste 
Com fé sem pancadaria 
Sem medo no coração 
E com força sem ironia.

GERSON ODILON: 
Padim Ciço já dizia:
"Temos que ter união"
Reivindicar como podemos
De carreta ou caminhão 
Sermos fortes e destemidos 
Competentes e unidos 
Pra defendermos a nação

FABIANO TIMBÓ: 
-Venha povo brasileiro 
É hora pra você falar 
Dizer o que você deseja 
Se levante, vá lutar 
Fale do seu pensamento 
O que for pra consertar.

GERSON ODILON: 
Caríssimo amigo Timbó 
É muito triste o que acontece
Uma casta brasileira
A cada instante enriquece
É tanto ilícito que faz
Faliram a nossa Petrobrás 
E a população falece

G ostei muito de escrever
E stes versos com o Timbó
R etratando este momento
S ofrido de fazer dó
O Brasil agora segue 
N um caminho melhor

O grupo rodoviário 
D este país varonil
I niciou o repúdio 
L utando pelo Brasil
O quê nos resta também
N os livrar deste ardil

P ovo amado brasileiro
E ste momento é sutil 
R ejeitem o casuismo
E xiba o lado bravio
I insista em lutar... vencer...
R ogar a Deus e receber
A Vitória do Brasil

FABIANO TIMBÓ: 
Força povo que batalha
Aonde quer que você esteja
Brasil é grande e suficiente 
Intenso a quem o deseja 
A força do Salvador 
Neste momento de horror 
Oração só não é peleja.

Tenha voz para lutar 
Ilumine seu pensar 
Mude agora sua atitude
Busque em nós solicitude 
Olhe, pense e vem ganhar.

terça-feira, 8 de maio de 2018

Lula es´ta preso mesmo?


Uma coisa bem difícil 
Que nos deixa insatisfeito 
É não conhecer de nada
Que está dentro do Direito 
Principalmente a justiça 
Que diz não fazer injustiça 
Para o que já estiver feito.

Julga-se primeiro o mérito
Para saber se há conceito 
Antes de imputar sentença
Ao causador do defeito
Àquele que for de bem 
Ou àquele que o bem retém 
Para o que já estiver feito.

Depois a vida do paciente 
Para não lhe causar dano 
Tudo bem visto e esmiuçado 
Pra que não seja tirano 
Daí se segue doravante 
De uma forma bem vibrante 
Para ao mal não passar pano.

Ao emérito magistrado 
Cabe a função de julgar 
O problema como um todo 
E a sentença divulgar.
Sem ele não faz sentido 
Como músico sem ouvido 
Ou cérebro sem pensar.

O promotor ataca sempre
O paciente sem ter pena 
A verdade que lhe cabe 
É acusar sem ter dilema 
Retratando todos os fatos
Qualquer que seja o artefato
Sendo a verdade seu tema.

O advogado almocreve 
Parece até um estilista
Faz das tripas coração 
Até a causa trabalhista 
Criando sempre alguma tese 
A quem a sociedade deve 
Como um verdadeiro artista.

Ao cliente que gerou o pleito 
Somente cabe esperar 
Torcer para prescrever 
Ou jurisprudência criar
Deve se afastar dos seus 
Se aproximar do seu Deus
E a todo mundo pagar. 

terça-feira, 1 de maio de 2018

Lula - Preso!

A notícia que é bombástica
É de deixar qualquer um teso
Preocupado, pensativo
Chocado, triste e surpreso
Quem poderia imaginar
Até mesmo acreditar
Lula, o presidente, preso.

O povo petista briga
Para qualquer situação
Mas Lula acalmou seu povo
Naquele dia da prisão
Isso também foi surpresa
E tamanha foi a lerdesa
Dos comunistas sem ação.

Se você idolatra Lula
Assuma agora este pleito
Saia da sua comodidade
Se torne um novo sujeito
Faça uma passeata unida
De esperança veja a vida
Solte Lula a qualquer jeito.

Fique de pé, passe dias
Da situação seja envolto
Peça para que seu Deus
Não deixe Lula no couto
A justiça se fará
E você fique por lá

Até que ele seja solto.

terça-feira, 24 de abril de 2018

Pré-eleições 2018 - PARTE III


O discurso "força bruta"
Vai ser duro e terá espaço 
Bolsonaro é o nome dele
Faz rir, parece palhaço
Mas a revolta da pessoa
Na palavra dele, ecoa 
Pode fazer estardalhaço.

O discurso da impaciência 
Na eleição terá seu nome
Palavras de Ciro Gomes 
Agressor de quem o consome 
Nunca se ouviu divulgar
A quem ele pode agradar 
Ou de alguém que tirou a fome.

Outro é o Geraldo Alquimim 
Profissional anestesista 
Nem quando o filho morreu
Se mostrou um pessimista 
Fala sempre de vagar 
Como fosse anestesiar 
Semelhante a um vigarista.

O escariotes Michel Temer 
Também quer ser candidato 
Grampeado na gravação 
Sorriu pra escapar do fato
Fez das tripas coração 
Pra escapar de delação 
E não cair na lava-jato.

Resultado de imagem para eleições 2018

A voz de Marina Silva 
Se relaciona ao que é nobre
Fala manso e de vagar 
Deve nada a quem lhe cobre 
Foi ministra da nação 
Mora em palácio ou mansão 
Diz que sabe o que é ser pobre.

O novo Henrique Meireles 
Deseja ver o capital 
Seu trabalho já foi bom
Dentro do banco central
Tá ruim para presidente 
Falta-lhe o que nos convence 
Só se inventar um plano real.

Ninguém conhece o boa gente
Chamado Rodrigo Maia
Da malandragem carioca 
Aprendeu a fazer tocaia 
Está sempre sorridente 
Por tudo que fez pra gente 
Merece uma grande vaia.

Quem desistiu sem dever 
Em nada era fanfarrão 
O charmoso Luciano Huck
Que conquistou esta nação 
Explorando o sentimento 
Que o povo sente por dentro 
Demonstrado na emoção.

Nesta eleição haverá 
O voto que será manco 
Como se o povo estivesse
Numa praça, só e num banco
Tentando ainda dar valor 
A quem não mantém pudor
Votando na tecla branco.

Um voto que vai ser forte 
É aquele do manifesto 
Que mostra a insatisfação 
E para nada eu o contesto 
Será aquele voto nulo 
Dizendo: "- Saiam do seu casulo
Porque aqui está meu protesto."

Não se vê outros candidatos  
Capazes de competir 
Com estas personalidades 
Que gostem de discutir 
Agora é entregar pra Deus 
Que cuide dos filhos seus 
E crer no que está por vir.